As melhores soluções em automação residencial

Qual é a melhor solução em automação?

Diante de tanta tecnologia, você pode se perguntar se já não está na hora de automatizar sua casa. Mas, ao mesmo tempo, não sabe por onde começar.

O ideal é pensar em sua rotina, quais são as tarefas que você sonha em ser automáticas. Por outro lado, nada te impede de automatizar toda a sua casa. A começar do acendimento das luzes, passando pelo entretenimento, dando uma volta pela cozinha, até chegar à biometria.

Tudo isso é possível, porque hoje a casa do futuro já é uma realidade.

Qual é o seu desejo em transformar em automático?

  • irrigação de jardins: ter um lindo jardim, sem ter que irrigá-lo todos os dias;
  • iluminação: é muito incômodo acender um grande número de luzes distantes do ambiente em que se costuma ficar.
  • entretenimento: ouvir músicas em qualquer lugar da casa ou do jardim;
  • segurança: saia de casa tranquilo e  gerencie-a de qualquer lugar do mundo;
  • equipamentos: tomar um cafezinho, descongelar refeições, ligar e desligar a TV; automatize o funcionamento de cada um desses eletrônicos de seu celular e viva tranquilo;
  • energia: controle a energia gerada ou consumida em casa;
  • home cinema: controle seus equipamentos e curta seus filmes e séries;
  • climatização: viva dentro de uma temperatura ideal em qualquer ambiente de sua casa;
  • persianas e cortinas: abra e feche suas cortinas apenas com o acionamento  no seu celular;
  • biometria: controle que  entra e que sai de sua casa.

Quem são os consumidores de automação residencial?

Geoffrey Moore, em seu livro Atravessando o Abismo, define assim os consumidores:

  • entusiastas: fanáticos por tecnologia, responsáveis por averiguar os produtos e muitas vezes até mesmo antes de serem efetivamente lançados.
  • visionários: apreciam a tecnologia e a compram assim que são disponibilizadas à venda e não se importam muito com o custo que isso pode proporcionar o importante para eles é “estar na moda” tecnológica da época.
  • pragmáticos: só aceitam aderir à novidade quando existe a certeza de que aquela tecnologia funciona e se traz alguma vantagem para si próprios. Não aceitam o consumismo abusivo e nem adquirem nada apenas por status.
  • conservadores: como o próprio nome já diz, aguardam até tempo demais para analisar se vale a pena aquela inovação e só a adquirem se for de fácil utilização e de preço acessível.
  • céticos: a modernidade é algo que incomoda e é vista como estranha e desnecessária. São extremamente radicais no que pesam até mesmo para tecnologias bem antigas e remotas.
  • o abismo: seria o obstáculo entre tecnologias em fases de testes e a tecnologia comercializável, quer seja, a fronteira entre os protótipos tecnológicos e os produtos vendidos em lojas.
Leia mais:  Como a videoconferência pode ajudar minha empresa?

Linha do tempo da automação

Como foi o surgimento da automação residencial ou como muitos preferem dizer a internet das coisas.

Mas o que significa a expressão? é um conceito tecnológico que se refere ao objetos que usamos no nosso dia a dia estarem conectados à internet, agindo de modo inteligente e sensorial.

A internet das coisas surgiu nos últimos quinze anos, mas, ficou conhecida quando feitas previsões, pela indústria de tecnologia, de que no futuro teríamos em casa equipamentos capazes de estabelecer comunicação entre si, assim como no desenho animado, Os Jetsons. (Quem não se lembra?).

Dito e feito. Em 2011 foi lançado um vídeo pela IBM prevendo a automatização.

Mas antes disso, em 1930, surgiu os interruptores triway, sistema de acendimento no qual uma lâmpada (ou um conjunto delas) é acionada por diferentes interruptores.

  • 1962: surge a indústria com a automação.
  • 1976: chega aos lares brasileiros o aparelho de vídeo VHs.
  • 1994: grande revolução com a internet discada, conectada ao computador, câmeras de segurança, e os primeiros homes theaters fazem a convergência de diferentes mídias, como iluminação, áudio e vídeo.
  • 2000: acendimento por controle remoto: a IBM traz ao Brasil o X10, protocolo para interligar cenários de luz.
  • 2005: cortinas, luzes e ar-condicionado podem ser acionados e coordenados por um único controle.
  • 2010: revolução sem fio. As redes wireless existem desde 1997, mas a informatização sem cabos, teclados e mouses só se tornou real com a chegada dos tablets.

 

Referências: MOORE, G. A. Crossing the Chasm: Marketing and Selling High-Tech Products to e Mainstream Customers. Estados Unidos: Editora Harper Business Essentials, 1991. 227 p.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Master Cases de Automação Residencial e Corporativa

Soluções personalizadas para o ambiente dos seus sonhos!

Tire suas dúvidas
com um especialista em automação

Estamos disponíveis no WhatsApp:
(31) 98766-7273